terça-feira, 7 de outubro de 2008

Renascendo após a tragédia ("O renascimento")

Masahiro Kobayashi recebeu nesse Festival uma homenagem concedida a poucos: 5 de seus filmes, produzidos em anos diferentes, estão sendo exibidos (todos na mostra 100 anos de imigração japonesa). O mais recente, dirigido e protagonizado por ele, é "O renascimento", em cartaz só até hoje (no Estação Vivo Gávea, às 14:00 e às 19:00). O filme ganhou o Leopardo de Ouro no Festival de Locarno no ano passado.

No longa, após o assassinato de uma adolescente por sua colega de classe em Tóquio, o pai daquela e a mãe desta estão arrasados pela dor, sem entender as razões para o que aconteceu. Coincidentemente, no ano seguinte, eles se encontram em Hokkaido. Na província, ambos têm uma rotina repetitiva e silenciosa, ele trabalhando em uma usina e ela, na cozinha da pensão em que ele vive. Quase não há diálogos e música durante o filme e o diretor procurou enfatizar a idéia da repetição do cotidiano dos personagens.

"Eu comia 20 ovos por dia", disse Kobayashi após a exibição da noite de ontem, quando o diretor conversou com os espectadores de "O renascimento" no Espaço de Cinema. Seu comentário buscou esclarecer a curiosidade do público sobre as várias cenas em que ele aparece comendo ovos crus com arroz no filme. Segundo ele, os personagens se comunicam, ainda que não-verbalmente. Assim como na música folk (antes de trabalhar com cinema, ele era cantor), em que o refrão se repete bastante, ele destacou a questão da repetição no tempo. Como dirigir um ator em um roteiro em que não há quase texto, ele mesmo decidiu interpretar um dos papéis principais.

A história foi inspirada num conto tradicional japonês, que fala sobre um amor proibido. Para trazê-lo aos tempos atuais, ele começou a imaginar o que seria um tabu nos dias de hoje e juntou a uma notícia que leu no jornal. O diretor também contou ao público que havia acabado de receber a notícia de que Ken Ogata, que participou de alguns de seus filmes (como "Homem andando na neve") e que ele considera um de seus mestres no cinema, havia falecido.

Nenhum comentário: